Gato e borboletas

Gato e borboletas

sexta-feira, 30 de outubro de 2015

Único Lençol


o único lençol restante
é a tela branca
onde deito minhas palavras
e suplico

aqui te amo
nada me impede
entrego-me
toda
sempre

nenhuma carne 
há de me fazer esquecer

nenhuma cama mais
terá meu amor derramado

a boca pode pronunciar
quaisquer palavras
o vento sempre as levará

só a alma
saberá o segredo

segredo que grito
não queres me ouvir

mas quando puder chegar bem perto
cochicharei doce em teus ouvidos
e tu haverás de me sorrir


Eterno Amor


Sorvo tuas palavras
elixir alimentando a dor

E sei estar viva
pois ainda pensas em mim

A certeza de ser inteira
existe
e consiste na poesia que fazes

Palavras que saltam à veia
que fazem pulsar

Escorrem nas lágrimas salgadas
enxurrada que te levou pra longe

Choro que não engoli
e tu te afogaste

Antes de morrer
ainda te darei
um último sorriso


sábado, 10 de outubro de 2015

Mandala


quando a vida nos pede andarmos em círculo,

não passarmos inúmeras vezes pelo mesmo caminho

depende da capacidade do olhar diferente,

e, de repente, voltamos à estrada ...



Chapéu violeta



Coloquemos chapéus,
flores,
roupas coloridas;

saiamos na chuva de braços abertos;

entremos no mar, mesmo vestidos;

vivamos com alegria,
e com a alegria de sermos quem somos!


terça-feira, 6 de outubro de 2015

2008 - começo do amor sem adeus



Eu nunca te esquecerei.
É uma das dores de muitas
que ainda me fazem
perceber estar viva.

Só tu a conheces,
só tu sabes o quanto
ela me consome,
só tu podes abraça-la,
e nesse momento
torná-la felicidade.

Mas tu não vens.
A dor é o que ficou desse tempo.
E se foi isso que restou de nós,
que doa.
Fecho os olhos,
e encontro teu sorriso,
enquanto me acolhes num abraço.



Resposta de amor preso no tempo



Se fui quem realmente sou,
se minha essência desnuda se fez,
esse instante ficou preso
em alguns meses de 2008.

Não fui impenetrável,
não sou impenetrável,
tu bem sabes disso.

A ave e a serpente
indo além dos instintos,
uma descobre o que é o vento
acarinhando seu corpo, sua alma,
pensamentos e desejos;
a outra experimenta
fincar-se ao chão
tendo que sentir todo o percurso,
e descobre que o caminho é real.

O toque que não nos permitimos sentir
realmente mata,
mas o abraço feito de carne,
esse nos salva,
sempre.

De mãos dadas
podemos saltar de qualquer abismo.
Em mim, restou-me uma asa,
e sei que guardas a tua.