Gato e borboletas

Gato e borboletas

terça-feira, 19 de maio de 2015

Mariani


Hoje eu acordei
e me deram a notícia
que não tinha mais você
Que não tinha mais 
aquele sorriso largo
Aquela gargalhada
que invadia a alma da gente
e fazia tudo ficar melhor
Não tinha mais aqueles olhos grandes
brilhantes
que quando me olhavam
eu sabia existir amor
Hoje eu sei que já não dá mais
O tempo é curto
quando a saudade bate
Hoje eu aprendi 
que saudade tem pressa
e devemos abrir a porta de imediato

Azulejando


Sei que inconsciente
você foi azulejando meu coração
Quando dei por mim
já não era mais vermelho
Primeiro ficou roxo
que acredito ser a cor
da mais tórrida paixão
Depois foi tomado de azul
a cor que deixa meu corpo entregue

segunda-feira, 18 de maio de 2015

Algum sentido


Há momentos
que pensar cansa
e não leva
a nenhum lugar
Talvez 
só sentir
tenha sentido
Ou 
nada faça sentido
e fechar os olhos
canse menos



sexta-feira, 15 de maio de 2015

Um Esclarecimento



Volúvel?
Não.
A partir do momento
que amar alguém
coloca em risco
meu amor próprio,
não é a mim
que vou amar menos,
não é a mim
que vou deixar de amar.


quinta-feira, 14 de maio de 2015

Menino Preto, Preto Velho


O dia amanheceu e a  Mãe África chorou.

O menino preto,
preso ao bicho de madeira,
do seu ventre foi tirado.

Junto a sua dor
o menino levou também
suas lembranças, sua macumba
e sua fé.

O menino cresceu de corpo preso,
mas a alma sempre ritmada
nunca esqueceu que era livre das amarras.

A natureza era seu altar,
o batuque da macumba
guiava seus pés em agradecimento.

O menino se fez homem,
e um rabisco lhe devolveu a liberdade do corpo.

E livre o homem dançou e agradeceu
e fez viver a Mãe África
em cada ensinamento.

Ensinou a agradecer a vitória de cada dia,
ensinou a conquistar o amor em cada gesto,
a ser humilde sem baixar a cabeça
e a ser forte através do sorriso.

E num alguidar, junto às estrelas,
ofertar o alimento aos que
com sua mãe haviam ficado.

E um dia
o homem preto ficou velho,
se juntou às estrelas,
se juntou à Mãe África.

Os que ele aqui deixou,
de pés no terreiro
continuam dançando,
a macumba ritmando seus corações
e as saias rodando sob as velas do céu.

E Preto Velho, sentado,
de sorriso nos lábios,
abençoa seu povo:
agora preto, agora branco, amarelo,
mas de sangue sempre vermelho.


quarta-feira, 13 de maio de 2015

Na pele do pé da alma



eu juro amar ... 
urgente, sempre ... amor
longe não vai estar
ilha de todo azul
o amanhã?
não sei existir
o ontem ... deixei ir
restou-me o agora


sexta-feira, 8 de maio de 2015

Pés



Que corram 
quando preciso
precisos
Que caminhem firmes
Que saibam parar
descansar
Que cravem
na decisão acertada
Que recuem
sem medo
Que diante do abismo
criem asas



quinta-feira, 7 de maio de 2015

Tempo .. tempo



"O tempo é o que nos resta,
e devemos confiar"
Ouço a frase
Perfeita
Não há como não concordar
Mas certos dias
a ansiedade insiste
em sentar-se ao meu lado
Ora consigo ignorá-la
ora dou-lhe uma cotovelada

quarta-feira, 6 de maio de 2015

Loucura



Quando minha loucura se tornou consciente
os olhos não mais turvaram
Nitidamente
pude ver que o caminho eram vários
Os pés seguiram firme
tropeçando no compasso da música
que antes fora zumbido
O que parecia caos
eram obras de arte erguidas pela vida
E muitas levavam minha assinatura

sexta-feira, 1 de maio de 2015

Organizando o nada


antes era tanto o que fazer
ninguém mandava parar
muitos castelos de areia
e todos
o vento levava
...
o dia amanhece de outra cor
preciso organizar o nada
o vento continua soprando
e só meu cabelo
despenteando